Polícia descarta raio como causa de incêndio no AP

Laudo preliminar indica que não houve descarga atmosférica em nenhum dos transformadores da subestação que causou o apagão em quase todo o estado

Laudo preliminar da Polícia Civil do Amapá indica que não houve descarga atmosférica em nenhum dos transformadores da subestação Macapá. O sistema de para-raios encontra-se sem registro de anormalidades. O laudo sinaliza que o incêndio foi provocado por um curto-circuito em uma das buchas de um dos transformadores, o que produziu a ignição e a propagação de calor, atingindo outras buchas e ainda transferiu sua carga para outro transformador, que também sofreu um curto-circuito em uma das buchas. No último dia 3 de novembro, um incêndio na SE Macapá interrompeu a transmissão de energia para o estado, deixando-o isolado do Sistema Interligado Nacional.

A partir desse laudo inicial, a delegada do caso Janeci Monteiro pediu em representação ao Poder Judiciário o bloqueio judicial de bens e valores das empresas envolvidas para assegurar a indenização dos prejuízos causados. A justiça determinou o bloqueio de R$ 50 milhões das concessionárias.

Mandados de busca e apreensão nas instalações da SE Macapá vieram na esteira da Operação Apagão – Fase 2, deflagrada pela Delegacia de Crimes Contra o Consumidor. De acordo com a delegada, a polícia está atuando no caso com muita cautela, devido a sua complexidade. Segundo ela, várias provas serão coletadas para formar uma convicção para a individualização das condutas e responsabilidades.

Eleições – O Tribunal Superior Eleitoral atendeu na madrugada desta quinta-feira, 12 de novembro, pedindo do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá e decidiu pelo adiamento das eleições para prefeito e vereador na capital Macapá. Nos demais municípios do estado, a votação ocorrerá normalmente neste domingo, 15 de novembro. A nova data para a votação em Macapá deverá ser acertada após acordo entre o TRE e o TSE.