EDP assina compromisso para igualdade racial e de gênero

Até 2022, 50% dos novos contratados deverão vir de grupos minoritários e 50% das vagas de estágio deverão serão destinadas para estudantes negros e negras

Na data em que se celebra o Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro, a EDP subscreve o compromisso com a Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero. A assinatura será feita pelo presidente da EDP no Brasil, Miguel Setas.
No mesmo dia, a empresa promove, às 16h, a mesa literária pela FLIP + na EDP, que debaterá o que significa ser negro no Brasil contemporâneo, estabelecendo uma conexão entre Brasil-África. A mesa faz parte de uma programação paralela da Festa Literária Internacional de Paraty 2020 e terá participação de Muryatan S. Barbosa, autor de obras que tratam de pensadores africanos pouco estudados pelo mundo cultural ocidental.

De acordo com Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil, foi assumido este compromisso como parte das s ações para promover a diversidade e inclusão na companhia e na sociedade como um todo. Segundo Setas, a EDP quer dar a sua contribuição, engajando e influenciando seus colaboradores e outras lideranças empresariais, para que a mudança realmente aconteça.

A EDP assumiu uma série de metas para promover a inclusão e ampliar a diversidade de seu quadro colaborativo. Até 2022, 50% dos novos contratados pela empresa deverão ser provenientes de grupos minoritários. No âmbito racial, especificamente, a companhia destinará 50% das vagas de estágio para estudantes negros e negras, o que já foi colocado em prática na seleção de 2020. A EDP também assumiu o compromisso de, nos próximos dois anos, investir R$ 1,6 milhão em programas de capacitação e desenvolvimento profissional com foco em grupos sub-representados dentro e fora da empresa.

A Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero foi criada pelo Instituto Ethos, o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades e o Institute for Human Rights and Business, com o apoio do Movimento Mulher 360 e do Banco Interamericano de Desenvolvimento. A coalização tem o objetivo de promover mudanças no mercado de trabalho, engajando empresas, poder público e sociedade civil para promoverem políticas e ações mais inclusivas, além de compartilhar boas práticas e inovações nessa área.