Aneel respeita, mas critica decisão judicial

Decisão de afastamento da diretoria foi dada enquanto o diretor geral da Aneel e do ONS estavam em deslocamento para Macapá junto ao ministro Bento Albuquerque

A decisão judicial que afastou a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica e do Operador Nacional do Sistema Elétrico chegou em um momento no qual o diretor-geral dos dois órgãos, André Pepitone e Luiz Carlos Ciocchi, estavam em deslocamento para Macapá, capital do Amapá. Ambos estão junto ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque e o presidente da EPE, Thiago Barral, em agenda oficial naquele estado para acompanhamento dos trabalhos de retomada do fornecimento de energia, divulgado pelo MME em suas redes sociais.

A Aneel publicou uma nota oficial em seu site agora há pouco na qual afirma que “Todos os esforços, no atual momento, estão concentrados na normalização do fornecimento de energia no Amapá. Os geradores que vão suprir emergencialmente o Estado já estão em Macapá. Equipes da ANEEL, inclusive, integram a comitiva do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, ao Estado nesta quinta-feira (19/11) que vai acompanhar o andamento dos trabalhos com vistas à plena normalização do atendimento”.

E termina ao afirmar que respeita a decisão da Justiça, mas ações como essa acabam gerando ruído e prejudicando os trabalhos em um momento em que todos os esforços deveriam estar concentrados no restabelecimento pleno do fornecimento de energia no Amapá.

Em uma segunda nota que acabou de divulgar, a Aneel informa que ainda não foi notificada dessa decisão, mas que assim que receber formalmente, vai interpor o recurso cabível para reverter a decisão.

Procurado, o ONS disse por meio de sua assessoria de imprensa que não iria se manifestar nesse momento.

(Nota da redação: matéria alterada às 14:48 horas do dia 19 de novembro de 2020 para incluir segunda nota emitida pela Aneel sobre a decisão judicial.)