ONS: carga no SIN deverá crescer 4,4% em dezembro

Previsão é de que a energia natural afluente no maior submercado do país fique em apenas 47% da média histórica de 90 anos

As previsões iniciais para a operação do sistema em dezembro não são as melhores. Em reunião para o Programa Mensal de Operação para o último mês de 2020, o Operador Nacional do Sistema Elétrico aponta uma perspectiva de energia natural afluente abaixo de 50% no maior submercado do país. A estimativa de vazões para o Sudeste/Centro-Oeste é a mais baixa com 47% da média de longo termo. Na outra ponta está o Norte com 80% da média histórica, depois vem o Sul com 64% e o NE com 62% da MLT.

Ao mesmo tempo a previsão da carga no Sistema Interligado Nacional é de crescimento de 4,4% quando comparado ao mesmo mês de 2019. Esse índice é o resultado de uma expansão esperada de 5,3% no SE/CO, 3,5% no Sul, 8,3% no Norte e de 0,7% no NE. Se essa projeção se confirmar serão 71.110 MW médios.

O nível de armazenamento de reservatórios previsto para o último dia do ano é mais baixo do que o volume desta sexta-feira, 27 de novembro. A exceção está no NE com aumento, passando de 52,1% para 54,2%. No Sul continua o nível mais reduzido, deverá chegar a 9.6% ante os atuais 18,9%. No SE/CO a queda é de 18,7% para 15,1% e no Norte de 28,8% para 20,1% no armazenamento máximo.

Como consequência, o custo marginal de operação médio voltou a subir e já está acima de R$ 700/MWh. Depois de muito tempo os valores voltaram a ficar equacionados em todos os submercados à média de R$ 744,43/MWh. O valor no patamar de carga pesado R$ 755,0, na carga média é de R$ 747,64 e na leve de R$ 737,43/MWh.

Com isso, o volume estimado para o despacho térmico, naturalmente aumentou. O total projetado é de 15.725 MW médios, sendo que o maior volume é por ordem de mérito com 9.582 MW médios. Inflexibilidade responde por 5.947 MW médios e ainda há 196 MW médios por restrição elétrica.

Em termos de meteorologia, o ONS aponta que no mês de novembro os maiores totais de precipitação foram observados no trecho entre a UHE Três Marias e a UHE Sobradinho na bacia do rio São Francisco. Desta forma, o total de precipitação observado no mês está próximo à média histórica para a região.

No início desta semana operativa foi registrada precipitação no médio e baixo São Francisco, na bacia do rio Tocantins e em pontos isolados do Xingu e do trecho brasileiro da bacia do rio Madeira. No final da semana ocorreu chuvisco e chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai.

A previsão é de que nos sete dias a partir deste sábado deverá ocorrer precipitação nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu e em pontos isolados do Paranapanema e da incremental a UHE Itaipu.