Câmara avança com proposta para isentar encargos ao mercado de GD

Por 374 votos a favor e 72 contra, os deputados aprovaram o regime de urgência para o projeto de lei 5829/19

Por 374 votos a favor e 72 contra, os deputados aprovaram o “regime de urgência” para o projeto de lei nº 5829/19, que isenta consumidores e investidores no mercado de geração distribuída dos encargos de transporte de eletricidade (tarifas de transmissão e distribuição). Agora, o PL poderá entrar nas próximas sessões de votação do Plenário da Câmara dos Deputados.

O mercado de geração distribuída foi regulamentado em 2012 (REN Aneel nº 482/12), mas só “pegou” mesmo depois de um ajuste regulatório coordenado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2016.

Atualmente, 441,7 mil unidades consumidoras são beneficiadas com a economia no custo de energia elétrica, conquistada com a instalação de uma usina própria de produção de energia em suas casas e comércios ou pequenas indústrias. No total, são 346.700 usinas operando, mercado que é dominado pela tecnologia fotovoltaica, com 97,1% de market share.

Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro declarou que ninguém iria “taxar o sol”, talvez sem saber que uma revisão normativa tensa estava em curso na Aneel. Os deputados aproveitaram para “surfar” na popularidade que o debate ganhou e saíram em defesa de causa, apresentando projetos de lei. Isso explicaria o placar de 374 x 72.

Com a expectativa de uma intervenção Legislativa, o processo administrativo de revisão das regras da geração distribuída foi informalmente interrompido. O então relator do caso na Aneel, Rodrigo Limp, foi convidado tempos depois para assumir um cargo de diretor na alta cúpula do Ministério de Minas e Energia (MME). Ele aceitou e outro diretor foi escolhido para ocupar o seu lugar na Aneel.

O processo foi redistribuído e assumido pelo diretor da Aneel, Efrain Cruz, que em agosto deste ano sinalizou, durante live com representantes da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), que a agência pretendia retomar a discussão regulatória da GD  no primeiro semestre de 2021.

Em novembro, o Brasil ultrapassou a marca histórica de 7 GW de potência operacional da fonte fotovoltaica em usinas de grande porte e pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos, informou a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Ao todo são mais de R$ 35 bilhões em novos investimentos ao país e geração de 210 mil empregos acumulados desde 2012. Desse total, estima a entidade, R$ 20 bilhões vieram da cadeia de negócios da geração solar distribuída.

O projeto de lei que foi aprovado o regime de urgência pelos deputados na noite da última terça-feira, 9 de dezembro, é de autoria do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM). Mas têm outras propostas, como podem ler no final as reportagens publicadas pela Agência CanalEnergia.

Com informações da Agência Câmara. 

Lafayette de Andrada fala em aprovar GD até o fim do ano no Congresso

Nova proposta para GD prevê fim da compensação em 10 anos

Albuquerque acredita em tramitação rápida do projeto da GD

Maia defende benefício para baixa renda no marco da GD

Autor de proposta para GD acredita em aprovação até março