Emissões da geração devem ter o segundo maior crescimento da história

Estimativa da Agência Internacional de Energia é de um aumento de 1,5 bilhão de toneladas em 2021 derivado da retomada da economia em termos globais, liderado pela Ásia

As emissões globais de CO2 relacionadas à energia deverão apresentar um elevado crescimento neste ano. A estimativa da Agência Internacional de Energia é de que haja um incremento de 1,5 bilhão de toneladas em 2021, o que representa o segundo maior aumento da história, revertendo a maior parte do declínio do ano passado causado pela pandemia de Covid-19.

A conclusão consta do relatório anual Global Energy Review onde é estimado que as emissões aumentarão em quase 5% este ano para 33 bilhões de toneladas. Essa análise tem base nos dados nacionais mais recentes de todo o mundo, bem como análises em tempo real das tendências de crescimento econômico e novos projetos de energia. O principal impulsionador é a demanda por carvão, que deverá crescer 4,5%, ultrapassando seu nível de 2019 e se aproximando de seu pico histórico em 2014, com o setor elétrico sendo responsável por três quartos desse aumento.

Na análise do diretor geral da AIE, Fatih Birol, este é um aviso terrível de que a recuperação econômica da crise da Covid atualmente é tudo menos sustentável para o nosso clima. Para ele, a menos que os governos em todo o mundo ajam rapidamente para começar a cortar as emissões, é provável que enfrentaremos uma situação ainda pior em 2022. Segundo ele, a Cúpula dos Líderes sobre o Clima, patrocinada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, esta semana é um momento crítico para se comprometer com uma ação clara e imediata. da COP26 em Glasgow.

De acordo com a publicação, a demanda global de energia deve aumentar 4,6% em 2021, liderada por mercados emergentes e economias em desenvolvimento – empurrando-a acima do nível de 2019. A demanda por todos os combustíveis fósseis está em expansão no ano, com carvão e gás devendo subir acima dos níveis de 2019. O petróleo também está se recuperando fortemente, mas deve ficar abaixo do pico de 2019, com o setor de aviação sob pressão.

O aumento esperado no uso do carvão supera o das energias renováveis ​​em quase 60%, apesar da demanda acelerada pelas fontes limpas. Mais de 80% do crescimento projetado na demanda de carvão em 2021 deverá vir da Ásia, liderado pela China. Nos Estados Unidos e na União Europeia também está em vias de aumentar, mas permanecerá bem abaixo dos níveis anteriores à crise.

A geração de eletricidade a partir de fontes renováveis ​​deve dar um salto de mais de 8% em 2021, respondendo por mais da metade do aumento no fornecimento geral em todo o mundo. A maior contribuição para esse crescimento vem da energia solar e eólica, que estão a caminho de seu maior aumento anual da história. A produção partir do vento deve crescer 275 TWh, ou cerca de 17%, em relação ao ano passado. Espera-se que a geração solar fotovoltaica aumente em 145 TWh, quase 18% a mais que no ano passado. Sua produção combinada está a caminho de atingir mais de 2.800 TWh em 2021.

As energias renováveis ​​devem fornecer 30% da geração de eletricidade em todo o mundo em 2021, sua maior parcela da matriz energética desde o início da Revolução Industrial e um aumento de menos de 27% em 2019. A China deve responder por quase metade do aumento global, seguidos pelos Estados Unidos, União Europeia e Índia.