UTE Biogás Bonfim consegue certificação de energia renovável

Usina é a primeira da fonte a ter a chancela do I-REC Standard

O I-REC Standard registrou sua primeira usina de biogás no Brasil, a UTE Biogás Bonfim (SP – 21 MW). O empreendimento é uma das maiores plantas de biogás do mundo, com 21 MW de capacidade instalada. O I-REC Service é um sistema global de rastreamento de atributos ambientais de energia projetado para facilitar a contabilidade confiável de carbono. A certificação, que no Brasil é emitida pelo Instituto Totum, confere à empresa a permissão para emissão e transferências de I-RECs – cada certificado equivale a 1MWh – e permite aos usuários fazer uma escolha baseada em evidências para a energia renovável, em qualquer país do mundo.

Segundo o diretor do Instituto Totum, Fernando Lopes, a Certificação da UTE Biogás Bonfim é um marco para o Programa Brasileiro de Certificação de Energia Renovável. De acordo com ele, agora, o programa conta com um portfólio completo de opções ao consumidor de energia renovável: dentro das 200 usinas já certificadas, além da energia eólica, hídrica, solar e de biomassa, agora tem também uma usina que usa como combustível o biogás. Para Lopes, será a primeira de muitas outras que ainda virão.

A UTE Bonfim é fruto da joint venture entre Raízen e Geo Energética, a Raízen Geo Biogás S.A., com foco na produção de biogás a partir de resíduos agrícolas. Construída junto à usina Bonfim, unidade da Raízen com uma moagem de mais de 5 milhões de toneladas de cana por ano que gera elevado volume de vinhaça e torta de filtro e atendem às necessidades de um projeto de biogás em escala comercial, a vinhaça será operada na safra, e, a torta, ao longo do ano inteiro.

A unidade recebeu autorização da CPFL e Aneel para comercializar energia. Dos 138 mil MWh por ano de capacidade instalada, 96 mil MWh serão vendidos dentro de um contrato negociado em leilão em 2016 do qual a Raízen foi a vencedora. O valor excedente de energia poderá ser negociado no mercado livre ou outros contratos. Para o CEO da Geo Energética e presidente da Abiogás, Alessandro Gardeman, a certificação da usina aponta para o crescimento do mercado e consolida o energético entre as fontes de energia renovável com maior potencial de crescimento na matriz brasileira.

A diretora de Transição Energética da Raízen e CEO da Raízen Geo Biogás, Raphaella Gomes, reforça que o reconhecimento contribui para a consolidação da tecnologia no tratamento dos resíduos agroindustriais de forma renovável e sustentável. Segundo ela, a certificação da planta da Raízen é mais um marco importante na jornada para liderar a transição energética e apoiar os clientes e parceiros a descarbonizar as atividades.