Em uma década, consumo de gás natural pode aumentar dez vezes no Rio de Janeiro

Até o fim do ano, a ANP deverá conceder 20 novas autorizações de importação do energético

Um estudo feito pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) mostrou que o consumo atual de gás natural pela indústria fluminense pode aumentar em dez vezes em uma década. Hoje, o estado consome um volume superior a 680 mil m³/dia. Ainda conforme a pesquisa denominada “Perspectivas do Gás no Rio 2021, essa demanda deverá duplicar nos próximos cinco anos.

Segundo o superintendente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Hélio da Cunha Bisaggio, a agência espera conceder 20 novas autorizações de importação de gás natural até o fim do ano. “Esse novo mercado já está acontecendo desde o lançamento do edital da primeira chamada pública da TBG – responsável pelo gasoduto Brasil-Bolívia – no modelo de entrada e saída, o que já impulsionou enormemente o interesse dos agentes no mercado de gás”, disse Bisaggio.

O estudo da federação destaca também que, enquanto a produção de gás no Rio cresceu quase três vezes nos últimos 10 anos, os volumes reinjetados pularam para mais de 80 vezes em comparação aos volumes de consumo de gás natural no país em 2020. Além disso, o consumo de gás natural no estado dentro do mercado não termelétrico teve queda de 11% em relação ao volume de pico demandado no ano de 2019. O estudo completo pode ser acessado aqui.