TBG, NTS e TAG anunciam marketplace integrado para mercado de gás

Acordo de coparticipação no Portal de Oferta de Capacidade (POC) visa simplificar acesso ao Sistema de Transporte de Gás Natural do Brasil

A Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), a Nova Transportadora do Sudeste (NTS) e a Transportadora Associada de Gás (TAG) firmaram uma parceria para compartilhamento do Portal de Oferta de Capacidade (POC), ferramenta digital alinhada com a Nova Lei do Gás e considerado o primeiro marketplace do mercado.

O acordo prevê coparticipação administrativa, de desenvolvimento, manutenção e operação da plataforma digital, a qual permite que agentes de outros segmentos da cadeia do gás também participem do ambiente de comercialização. Há cada cinco anos uma das empresas será a responsável pela gestão, num sistema de rodízio. A primeira será a TBG.

Para Erick Portela, diretor-presidente da TBG, a parceria inédita representa um momento significativo para o setor, que promove avanços importantes ao mercado nacional de gás. “É o conceito de shopping center, em que as empresas de toda a cadeia produtiva de gás natural podem estar presentes, oferecendo seus produtos e serviços em um mesmo espaço virtual”, afirma o executivo.

Segundo Wong Loon, presidente da NTS, além de facilitar a aquisição de produtos pelos carregadores, o portal único poderá disponibilizar novas funcionalidades ao mercado, tornando todo o processo de compra de capacidade mais dinâmico.

“As chamadas coordenadas se tornarão mais simplificadas, com o mesmo carregador adquirindo capacidade de entrada e saída de empresas diferentes. Nossa expectativa é de iniciar a oferta de produtos da NTS pelo POC ao longo do segundo semestre deste ano”, destaca Wong.

Já Gustavo Labanca, diretor-presidente da TAG, acredita que “além de facilitar a coordenação e visibilidade das ofertas de capacidade das transportadoras, o POC contribuirá para o processo de integração das áreas de mercado, o que é fundamental para dar maior liquidez às transações comerciais e o consequente desenvolvimento da cadeia de gás natural no país.

“Poderemos conduzir processos de Chamada Pública ou mesmo ofertar contratos na modalidade de serviço extraordinário para nossas malhas de transporte de forma muito mais dinâmica”, complementa.