Eletrobras terá recálculo de indenização de UHEs que somam 13,8 GW

Revisão de norma pela Aneel dá início à reavaliação dos valores que a estatal têm direito a receber por ativos não amortizados

A decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica de alterar os critérios de cálculo de indenização segundo a REN no.596/2013  e da 12783/2013, referente aos bens reversíveis ainda não amortizados ou não depreciados nas concessões de aproveitamento hidrelétrico teve sua repercussão nas subsidiárias da Eletrobras.

Em comunicado, a estatal informou que a revisão e que terá direito a indenização complementar em três subsidiárias alcançadas pela REN 596 de 2013. A Chesf é maior beneficiada com usinas que somam 9,2 GW em potência instalada. São elas as UHEs Xingó, Paulo Afonso I, II, III e IV, Apolônio Sales (Moxotó), Luiz Gonzaga (Itaparica), Boa Esperança, Pedra e Funil.

De Furnas estão incluídas as UHEs Corumbá, Funil, Furnas, Luiz Carlos de Barreto de Carvalho, Marimbondo e Porto Colômbia, com potência total instalada de 4,6 GW. E ainda, da Eletronorte a UHE Coaracy Nunes, com potência instalada de 78 MW.

Em comunicado, a Eletrobras aponta que os valores anteriormente divulgados, baseados em documentação comprobatória elaborada pela Deloitte Touche Tohmatsu Consultores, no caso dos aproveitamentos hidroelétricos deverão ser recalculados à luz das novas condições estabelecidas pela revisão aplicada. E que o processo de avaliação documental comprobatória a ser executado pela Aneel para a homologação desses novos valores foi iniciado.