Demanda de junho na Energisa mostra maior variação em 21 anos

Consumo consolidado do grupo subiu 11,5% em comparação ao mesmo período do ano passado

O consumo consolidado de energia elétrica do Grupo Energisa teve alta de 11,5% em junho na comparação ao mesmo mês do ano anterior, chegando a 2.978,5 GWh, sendo a maior variação para o mês de junho em 21 anos, recuperando as perdas observadas no ano passado com o recrudescimento da pandemia, quando a variação no mês foi de 5,1%, informa o boletim operacional da companhia.

Todas as classes registraram acréscimo na demanda, com destaque de 13,4% para a residencial, principal responsável pelo desempenho no mês com crescimento em todas as concessões, impulsionada pelo calendário, aumento volume de energia recuperada e crescimento abaixo da média em 2020 pelo clima no Sudeste e Paraíba.

A classe comercial e a industrial também se destacaram, com avanço de 17,5% e 10,2% respectivamente. Além da base baixa, também contribuiu para o resultado o calendário de faturamento maior e a flexibilização de restrições nesse período, dada a melhora gradual do cenário sanitário e evolução da vacinação em diferentes cidades.

Já no segundo trimestre o consumo chegou a 9.049,4 GWh, aumento de 7,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando recuou 4,9%. A indústria puxou o resultado, com 14,4% influenciada pela cadeia da construção, produtos alimentícios e pela retomada do setor têxtil, muito afetado em 2020.

O setor comercial aparece em seguida, com 13,1%, abaixo do nível pré pandemia em 2019, e o segmento residencial cresceu 4,7%, com destaque para concessões de Rondônia, Sul-Sudeste, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.