CPAMP atualiza Volume Mínimo Operativo dos reservatórios

O que motivou o mecanismo de aversão ao risco foi a necessidade de melhorar a representação da realidade operativa do SIN e proporcionar o adequado sinal econômico do PLD e alocação dos custos

A Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico (CPAMP) aprovou a atualização do Volume Mínimo Operativo (VminOp) dos reservatórios. Para o Sudeste, Paraná e Paranapanema, o VminOp será de 20%, o Sul e Iguaçu será de 30%, o Nordeste será de 23,5% e o Norte será de 20,8% e 18% no mês de dezembro de acordo com a curva de operação da usina de Tucuruí.

Esses parâmetros começam a valer a partir de janeiro de 2022. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o que motivou os aperfeiçoamentos propostos foi a necessidade de se melhorar a representação da realidade operativa do Sistema Interligado Nacional (SIN) nos modelos, e proporcionar o adequado sinal econômico do PLD e justa alocação dos custos para os diversos segmentos.

Nos últimos anos, o SIN apresentou sucessivos níveis baixos de armazenamento, sem apresentar melhora nos períodos em que seria natural o replecionamento (nos períodos úmidos), tendo sido verificado, ainda, a pior média de vazões, de setembro de 2020 a junho de 2021, do histórico de 91 anos de dados coletados no SIN.

As mudanças se devem também porque o atual nível de aversão ao risco dos modelos tem se mostrado insuficiente, fato evidenciado pelos baixos níveis de armazenamento que o SIN tem operado nos últimos anos.

Para promover a elevação dos níveis de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) vem orientando a adoção de diversas medidas, desde o quarto trimestre de 2020, que têm resultado em intenso despacho térmico, elevando o valor dos Encargos de Serviços do Sistema (ESS).