2W Energia emite R$ 475 milhões em debêntures verdes do projeto Eólico Anemus

Estrutura de financiamento do projeto é viabilizada por clientes com energia vendida no mercado livre pela plataforma da companhia, com contratos mais curtos do que o prazo dos Green Bond

A 2W Energia emitiu R$ 475 milhões em debêntures verdes para o projeto Eólico Anemus, no Rio Grande do Norte. A operação é certificada como “Green Bond” ou Título Verde e será viabilizada exclusivamente por um portfólio de contratos de venda de energia para pequenas e médias empresas brasileiras no Ambiente de Contratação Livre de Energia, sem contrato de energia para mercado regulado.

Os recursos serão utilizados para investimentos do projeto e foi avaliado pela Fitch com o rating AA, escala local. Com a emissão das debêntures, o parque eólico Anemus completa o aporte financeiro de recursos necessários para construção. A planta terá 33 aerogeradores, fornecidos pela WEG, e capacidade instalada de 138,6 MW, com início da geração previsto para setembro de 2022.

A companhia também assinou um contrato de obras e manutenção de 20 anos com a WEG, incluindo atividades de manutenção preventiva e corretiva para assegurar uma garantia de disponibilidade média de 98%.

A energia gerada por este complexo será destinada, principalmente, aos clientes da divisão de varejo da 2W, composta por pequenas e médias empresas que buscam a migração ao mercado livre de energia. Em menos de um ano, a empresa já firmou contratos dessa modalidade com cerca de 120 clientes, com prazos que vão de 3 a 15 anos, garantindo as debêntures verdes do projeto. O prazo médio dessa carteira de recebíveis pulverizada é de 7 anos.

“O mercado livre já representa 33% do consumo do país, e por isso o mercado de financiamentos também está evoluindo. Antigamente, só era possível financiar projetos de energia com PPAs de mercado regulado ou com contratos âncoras de longo prazo de grandes corporações brasileiras”, disse em nota o CEO da 2W Energia, Claudio Ribeiro.