Petrobras adia parada de Mexilhão e Rota 1

Parada prevista para 30 dias deverá durar agora apenas 16 o que aumenta a disponibilidade de fornecimento de gás natural para térmicas

A parada para manutenção da plataforma de Mexilhão e do gasoduto Rota 1, que escoa o gás natural produzido em Mexilhão e em outras plataformas do pré-sal e pós-sal da Bacia de Santos, será adiada em 14 dias. A operação que tem previsão de duração de 30 dias ocorrerá agora a partir de 29 de agosto.

Segundo comunicado da empresa, a postergação foi motivada pela ocorrência de parada emergencial não programada para reparar equipamentos da planta de processamento, que recebe o gás natural oriundo da Bacia de Campos e do gasoduto Rota 2, o qual escoa o gás natural produzido na Bacia de Santos. A operação é indispensável para assegurar o pleno funcionamento da Rota 2, o que garantirá o abastecimento do mercado durante a parada do gasoduto Rota 1.

A Petrobras diz que o novo cronograma trouxe um desdobramento que se mostra favorável ao mercado e ao setor elétrico do país, uma vez que resulta em uma redução do período em que haveria a imposição da restrição contratual na programação de gás para os clientes e, consequentemente, eventual majoração de custo em caso de retiradas de gás acima dos volumes programados e restritos.

Explica que de acordo com os contratos, as paradas programadas podem durar no máximo 30 dias. Com a mudança, a Petrobras aplicará a restrição, se necessário, por apenas 16 dias, entre 29 de agosto e 13 de setembro. “Dessa forma, no período entre 15 e 29 de agosto serão mantidas as condições normais dos contratos. As atividades da parada programada de Mexilhão e do gasoduto Rota 1 estão previstas para ocorrer até 28 de setembro”.

E reforça que esse novo cronograma permitirá, ainda, um aumento na geração de energia elétrica a gás natural se comparado ao cenário anterior, em função da disponibilidade de gás para usinas, que fariam paradas programadas de forma concomitante com a parada da Rota 1, ou operariam com combustíveis alternativos. Assim, foi reprogramada a parada da UTE Cubatão, de propriedade da Petrobras, além da confirmação de disponibilidade para o consumo de gás natural para geração de energia por mais 14 dias (entre 15 e 29 de agosto) das usinas Araucária, Linhares, Santa Cruz, William Arjona e Norte Fluminense.