Reajuste da Elektro será de 11,49% em média

Conta do consumidor residencial da distribuidora ficará 12,1% mais cara

O reajuste anual da Elektro vai ultrapassar a barreira dos dois dígitos estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica para os processos tarifários da distribuidoras. As tarifas da empresa vão aumentar em média 11,49% na próxima sexta-feira, 27 de agosto, para os 2,8 milhões de unidades consumidoras atendidas em 223 municípios do estado de São Paulo e cinco do Mato Grosso do Sul.

A conta dos consumidores residenciais ficará 12,1% mais cara. Na média, clientes atendidos em baixa tensão, o que inclui residências, vão perceber um aumento de 12,89%. No segmento de alta tensão, as tarifas vão aumentar em média 8,84%.

O Aneel tem feito esforço para evitar aumentos acima de 10%, utilizando instrumentos com a reversão ao consumidor de recursos da Conta Covid e créditos tributários de PIS/Pasep e Cofins para mitigar as tarifas das distribuidoras. Esses instrumentos foram usados no processo da Elektro para evitar um aumento ainda maior. Segundo a agência, custos com atividades relacionadas à distribuição de energia e encargos do setor estão entre os fatores com maior impacto no resultado.