ONS apresenta plano de operação para sistemas isolados em 2022

Previsão de novas usinas a gás natural e biomassa expandem disponibilidade na região para cerca de 1.300 GWh

O sumário executivo do Plano Anual da Operação Eletroenergética dos Sistemas Isolados (Plano SISOL 2022) foi disponibilizado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) na última quarta-feira, 22 de dezembro. O documento conta com uma síntese das principais ações previstas para 2022, com destaque para projeção de aumento significativo na geração térmica a gás natural e biomassa para atendimento aos Sistemas Isolados quando comparada ao ano de 2021, atingindo montantes da ordem de 1.300 GWh.

 Assim foi reduzida a participação das térmicas movidas a óleo combustível e diesel na matriz, caindo para 80,5%, contra os 94,6% indicados na versão anterior. O crescimento das fontes é consequência da previsão de entrada em operação das usinas vencedoras do Leilão nº 001/2019 para o estado de Roraima, agregando cerca de 830 GWh a gás natural e de 250 GWh referente à biomassa.

 No SISOL foram considerados 165 sistemas isolados, localizados principalmente na região Norte do país, compreendendo os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima, além da ilha de Fernando de Noronha, pertencente ao estado de Pernambuco. Dentro desse conjunto, atuam nove agentes de distribuição.

 A participação percentual desses sistemas na carga de energia em 2022, prevista para o Sistema Elétrico Brasileiro (SEB), será de aproximadamente 0,6%. O índice apresentou uma ligeira redução em relação ao ciclo anterior do plano. As projeções dos sistemas isolados apontam ainda para uma carga própria total de 442 MWmed, com recuo de 7%, ante a carga de 2021. 

 As análises das condições de Roraima indicam que será possível atender ao critério “N”, que considera a operação do sistema sem riscos de sobrecargas em equipamentos, violação de faixas de tensão e de geração em condição normal de operação. Esse cenário leva em conta o cronograma de substituição do atual parque gerador do estado pelas usinas vencedoras do Leilão nº 001/2019.