Shell reforça participação no Novo Mercado de Gás

Em dezembro, empresa acertou contratos de fornecimento de gás natural para UTEs, acesso e transporte

A Shell Energy Brasil entrou no segmento de gás natural de maneira ativa, celebrando nos últimos dias novos contratos com players de produção, transporte e distribuição, além de consumidores livres. Esses acordos fortalecem a participação da Shell no Novo Mercado de Gás, movimento estratégico na jornada de descarbonização da empresa. Conforme divulgado pela Agência CanalEnergia na semana passada, os empreendimentos termelétricos Portocem e Termopernambuco, com potência total instalada da ordem de 2 GW, venceram o último leilão de reserva de capacidade e serão supridos por gás da Shell.

Em dezembro, a companhia tinha celebrado acordos para suprimento de gás natural com dois novos clientes. Um deles com a Proquigel Química, para suas plantas de fertilizantes nos Estados da Bahia e de Sergipe, com duração de dois anos; o outro, com a Bahiagás, distribuidora de gás natural do Estado da Bahia, com a entrega de volumes a partir de 2022. Em agosto, a Shell já havia celebrado um acordo para suprimento de gás natural com a Copergás, distribuidora de Pernambuco, para suprimento de volumes em 2022 e 2023. Na última quinta-feira, 23 de dezembro, a empresa também concluiu a assinatura com a Petrobras dos contratos remanescentes que possibilitarão o acesso ao gás processado oriundo de sua parcela de produção do pré-sal. No mesmo dia, a Shell fechou os acordos com a Transportadora Associada de Gás, permitindo o transporte do gás processado aos seus novos clientes.

De acordo com Christian Iturri, diretor-presidente da Shell Energy Brasil, o momento é histórico e os acordos são importantes marcos no Novo Mercado de Gás. Segundo ele, os contratos reafirmam a abertura do mercado de gás no Brasil, com um setor mais dinâmico e competitivo, da mesma forma como aconteceu há alguns anos no mercado de energia elétrica. O executivo ressalta que a Shell considera o gás natural uma fonte essencial na transição energética, em linha com sua estratégia global Powering Progress, de ser zero emissões líquidas até 2050.

Essa é mais uma fase na construção do portfólio da Shell Energy Brasil, ancorado na produção do pré-sal e inaugurado com o investimento no consórcio da termelétrica Marlim Azul atualmente em construção em Macaé-RJ. Para Iturri, a conclusão dos acordos com as distribuidoras de gás, as fábricas de fertilizantes, a TAG e a Petrobras, bem como a seleção dos projetos termelétricos vencedores no leilão de capacidade, marcam a entrada definitiva da Shell na comercialização de gás natural no país a partir de 1º de janeiro de 2022.