Favela no RJ recebe telhado UFV e capacitação em energia solar

Parceria leva instalação de sistema fotovoltaico na ONG Ser Alzira e oportunidades para jovens do Vidigal

Uma parceria entre a organização SER Alzira, Grupo FRG Mídias e Eventos, Solfortes, Phb e Solarize possibilitou a doação e instalação de um sistema fotovoltaico de 3,6 kW para a Rede Favela Sustentável, que abriga um grupo de trabalho sobre energia solar com o desafio de reverter e ampliar o telhado na laje do prédio da instituição.

Após a parada forçada da pandemia, juntaram-se 20 colaboradores de cinco comunidades e do asfalto, executando a obra completa em cinco dias. A iniciativa veio do CEO do grupo FRG e organizador do Fórum GD Sudeste, Tiago Fraga, que na ocasião afirmou que a tecnologia será disseminada no Vidigal e mais moradores serão capacitados, citando também o desenvolvimento de mais projetos em outras favelas com desafios diferentes.

“Além de reduzir o uso da energia elétrica incentivamos a capacitação para que esses jovens tenham uma profissão e atuem no setor renovável’’, comentou o executivo, referindo-se ao alívio nas contas de energia da ONG SER Alzira de Aleluia, fundada em 2003 por Elma Maria da Silva de Aleluia e Antônio Carlos de Aleluia.

Em 1970 Antônio foi o primeiro jovem do Vidigal a entrar na Universidade Federal Fluminense no curso de engenharia. Desde então sua vida foi transformada pela educação, fazendo com que atualmente tenha desenvolvido a ONG para que jovens como ele tenham oportunidades e conhecimento por meio de cursos como inglês, tecnologia, dança, preparatórios de primeiro emprego e com a parceria sobre sustentabilidade e energia solar.

‘’Na instituição a educação e formação vêm por intermédio da inovação e nós podemos observar isso pelo crescimento dos painéis solares, sendo uma ferramenta de abertura em novos empreendimentos. Não importa a idade, cor ou gênero, mas sim inovar para criar’’, pontua Elma Maria.

Além disso, a organização possui o Hostel Alzira House, que recebe jovens de todo o Brasil e estrangeiros que vêm sendo voluntários, desenvolvendo a educação cultural e levando sustentabilidade a outros continentes.