Juiz aprova venda de eólica da Renova por R$ 42 mi para AES Brasil

Complexo Cordilheira dos Ventos prevê desenvolvimento de 305 MW mas poderá ser ampliado

O juiz da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Fórum Central da Comarca de São Paulo, onde tramita o Processo de Recuperação Judicial da Renova Energia, homologou na última terça-feira, 15 de março, o processo competitivo da Unidade Produtiva Isolada (UPI) Cordilheira dos Ventos, declarando a AES Brasil como vencedora do leilão.

Conforme Fato Relevante divulgado pela compradora, o projeto é constituído por parte dos projetos Facheiro II, Facheiro III e Labocó, localizados no Rio Grande do Norte, próximo ao Complexo Eólico Cajuína. O valor da operação é de R$ 42 milhões e prevê o desenvolvimento eólico de até 305 MW de potência, alinhado a estratégia de diversificação de fontes da companhia.

Segundo outro comunicado enviado ao mercado, caso a geradora venha a implementar uma capacidade superior no parque, a Renova terá que fazer ainda um processo de earn out. Com a homologação o certame de disputa pelo ativo, do qual só a AES participou, foi encerrado. A conclusão da transação, no entanto, está sujeita ainda ao cumprimento de outras condições precedentes usuais de mercado.