Estudos estimam investimentos de R$ 50 bi para escoamento no NE e expansão de interligações

Estudos divulgados para escoamento de geração no Nordeste estimam investimentos de R$ 11,1 bilhões, enquanto expansão de interligações regionais consumirá R$ 21,3 bilhões

O Ministério de Minas e Energia e a Empresa de Pesquisa Energética divulgaram, na semana passada, os Volumes 2 e 3 do relatório “Estudo de Escoamento de Geração da Região Nordeste”, referentes às áreas Norte e Leste dessa região, assim como o relatório do “Estudo de Expansão das Interligações Regionais – Parte II”. O produto de todos os estudos totaliza mais de R$ 50 bilhões em investimento estimado para o Sistema Interligado Nacional, proporcionando benefícios ao consumidor, com a otimização do uso das fontes renováveis disponíveis no país.

O MME e a EPE realizaram um webinar com objetivo de apresentar as premissas e as soluções de planejamento recomendadas nos estudos, além do inter-relacionamento com os demais relatórios de planejamento em andamento. Para o “Estudo de Escoamento de Geração da Região Nordeste”, a estimativa é de que sejam investidos R$ 11,1 bilhões em novas instalações de rede básica, demais instalações de transmissão e rede de distribuição. Estão previstos cerca de 3.700 km de novas linhas de transmissão em 500 kV e 230 kV, novas subestações associadas e expansões e reforços na rede existente.

O “Estudo de Expansão das Interligações Regionais – Parte II” prevê o investimento de R$ 21,3 bilhões, sendo R$ 18,2 bilhões referentes a obras do horizonte determinativo. São recomendadas um conjunto de expansões na malha de 500 kV das regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, bem como a implantação de um bipolo em corrente contínua em 800 kVcc, com extensão aproximada de 1440 km e capacidade nominal de 5GW, interligando a subestação Graça Aranha, no Maranhão, à subestação Silvânia, em Goiás. Esses relatórios são publicados em complemento ao “Estudo de Escoamento de Geração da Região Nordeste – Volume 1: Área Sul”, publicado pela EPE em dezembro de 2021 e com indicação de R$ 18 bilhões em investimento para a expansão da transmissão.

As soluções encontradas pelos estudos buscam solucionar restrições existentes hoje no sistema de transmissão para a conexão de futuros projetos de geração, assim como aumentar a confiabilidade no atendimento à carga e ampliar a capacidade de intercâmbio entre as regiões Norte/Nordeste e Sudeste/Centro-Oeste. Os próximos passos da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME compreendem a coordenação do desenvolvimento dos relatórios de detalhamento de alternativas, que serão disponibilizados à Agência Nacional de Energia Elétrica para a instrução dos próximos Leilões de Transmissão.

A Portaria Normativa nº 33/GM/MME, de 17 de dezembro de 2021, apresentou o cronograma de realização dos leilões de transmissão para os próximos três anos. O volume de obras objeto desses recentes relatórios de planejamento terão condições de compor os leilões que irão ocorrer a partir de junho de 2023.