Perdas não técnicas na Light recuam para 57,16%

Desvios nas chamadas áreas convencionais aumentam enquanto nas regiões classificadas como especiais houve decréscimo, mas ainda estão em 78,2%

As perdas continuam no radar da Light. A empresa apresentou um balanço de suas ações na busca pela recuperação de energia em sua área de concessão. Esses esforços, relatou a companhia, levaram a uma retração nessa linha do balanço pelo 4º trimestre consecutivo, as perdas totais ficaram em 26,59%.

Contudo as perdas não técnicas na baixa tensão continuam em patamar acima de 57%. Segundo dados apresentados pela companhia, houve uma retração ante o encerramento do ano passado, de 57,38% para 57,16%, além disso, esse patamar está 2,69 ponto porcentual abaixo do registrado um ano atrás.

Os executivos da empresa abordaram o tema em teleconferência sobre os resultados do primeiro trimestre as ações de combate. O destaque de Gisomar Marinho, diretor de Relações com Investidores, foi dado para os investimentos em infraestrutura para reduzir a vulnerabilidade da rede e o modelo de gestão. Entre os dados está o aumento de 28,4% no volume de blindagens em instalações regularizadas, que somaram 13 mil. Ao mesmo tempo o plano inclui o aumento das inspeções que aumentaram em 59,8% na comparação com o mesmo período de 2021, para 86,9 mil.

Além disso, destacou a empresa, houve a substituição de 57 mil medidores no primeiro trimestre do ano. Esse volume representa aumento de mais de 100% na comparação com o último trimestre de 2021.

Como consequência, a Light viu um leve incremento no volume de arrecadação total. Na comparação com o fechamento de março de 2021 a evolução foi de 1,2 p.p. e ante o encerramento de 2021 ficou em 0,1p.p, com 97,5%.

Um exemplo dado pelo diretor Thiago Guth é que a Light considera como bem sucedido foi na comunidade Dom Bosco, em Duque de Caxias. Nessa região após o início do relacionamento com os moradores, as perdas recuaram de 59,2% para a casa de 10% em um ano. Apesar do aumento quando se olha para os números de dezembro que ficaram em 3,09%.

Com isso a Light viu o aumento das perdas não técnicas nas regiões que classifica como Área Convencional, que chegaram a 17,8% ante a queda nas perdas no que chama de Área Especial que passou de 81,1% para 78,2% em um ano.

A incorporação de energia no primeiro trimestre somou 146,7 GWh, volume 20 GWh maior em relação ao final de 2021. Na explicação da empresa, “reflexo de uma maior eficiência nas ações de combates às perdas. Nesse resultado, podemos destacar as alavancas do Programa de Inspeções, as quais foram responsáveis por 10,3 GWh de resultado superior ao quatro trimestre de 2021”.

Já a Recuperação de Energia na base de 12 meses apresentou aumento de 1,9% no trimestre em relação ao a dezembro de 2021, atingindo 255 GWh. “Esse resultado mostra uma estabilidade no indicador, reforçando a estratégia da empresa de manter o faturamento de REN de forma controlada, permitindo que os clientes permaneçam no mercado formal e incrementem o mercado faturado da companhia de forma sustentável”, finalizou.