Eletrobras espera decisão do TCU para delinear passos da capitalização

Prazo regulatório para a operação é meados de agosto agora que a companhia apresentou os números do primeiro trimestre de 2022

A Eletrobras está à espera das decisões que o Tribunal de Contas da União deliberará nesta quarta-feira, 18 de maio, sobre o processo de capitalização. A depender das decisões é que a empresa terá mais clareza sobre o processo. Por enquanto os prazos com os quais a companhia trabalha é o de ter a janela de até meados de agosto para a operação ao considerar os resultados do primeiro trimestre.

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, comentou que apesar de ser conhecido o voto do relator, o ministro Aroldo Cedraz, este já indicou que poderá considerar outros itens apresentados por colegas de plenário. Por isso, avalia que ainda não é possível avaliar novos prazos, diferentes daqueles que foram estimados pela empresa. Ou seja, os cronogramas máximos de acordo com cada janela para a capitalização, a atual é meados de agosto.

“Amanhã, caso o TCU aprove o processo e em não havendo alteração dos itens de já trabalhados, como do PPI, CNPE e avaliados em Assembleia, depois do acórdão é que teremos essa avaliação, havendo essa conclusão de que tudo permanece válido são duas etapas. A primeira é a atualização do formulário de referência e a segunda a publicação do prospecto. A conclusão desse documento envolve advogados contratados e avaliação de auditor e nessa janela o limite regulatório vai até meados de agosto”, reafirmou Limp.

Contudo, continuou ele, quanto mais rápido ocorrer é melhor, pois há o período de férias no hemisfério Norte, a proximidade das eleições aqui no Brasil. O processo de roadshow ainda depende da coordenação dos bancos, com reuniões que podem ser presenciais ou virtuais com os investidores potenciais que podem se interessar nessa capitalização.

Caso haja a aprovação, os resultados considerados para o processo de capitalização serão os do primeiro trimestre, apresentados na última segunda-feira, 16 de maio. A companhia registrou um lucro líquido de R$ 2,7 bilhões, aumento de 69% quando comparado ao mesmo período do ano passado.