Eólica tem recorde de nova capacidade instalada em 2021

Foram instaladas 104,7 GW divididos em quase 30 mil turbinas em todo o mundo, destaque para Vestas e Goldwind que mantiveram os dois primeiros lugares no ranking

Os fabricantes de turbinas eólicas forneceram um novo volume recorde. Segundo dados anuais do Global Wind Energy Council (GWEC), 30 empresas instalaram 104,7 GW de nova capacidade em 2021, apesar das contínuas interrupções causadas pela pandemia de Covid-19 e pela crescente pressão dos aumentos de preços das commodities e problemas logísticos. Mesmo com esse volume, os resultados financeiros ficaram piores devido a um ambiente de preços classificado como ultracompetitivo, custos externos mais altos e gargalos contínuos que estão impedindo uma expansão mais rápida da energia eólica.

Foram instaladas 29.234 turbinas eólicas em todo o mundo, 18 fabricantes são da Ásia-Pacífico e 9 da Europa. Dentre esses a Vestas apresentou um ano recorde e permanece como o maior número de instalações, realizando 17,7% do total registrado. A chinesa Goldwind seguiu em segundo lugar com 11,8%, mantendo sua posição desde 2020, enquanto a Siemens Gamesa também teve um ano recorde com 9,7% de participação no mercado global, subindo duas posições para o terceiro lugar em 2021. Outra empresa chinesa, a Envision, está quarto com 8,65% do mercado de 2021. A GE Renewable Energy completa os cinco primeiros com 8,55% do mercado.

Em diversificação de atuação, a Vestas e a Siemens Gamesa lideram com 37 e 32 países entregues, respectivamente. A GE chegou a 22 mercados em 2021, enquanto a Goldwind e a Envision atingiram apenas sete e três mercados, respectivamente.

A tendência ascendente no diâmetro do rotor continua desde o ano passado. A capacidade nominal média das novas turbinas instaladas em 2021 ultrapassou a marca de 3,5 MW enquanto o rotor com tamanho superior a 140 metros respondeu por mais de 58% das novas instalações. Na análise do GWEC, isso se deve principalmente ao fato de a indústria eólica ter um ano recorde em novas instalações para a modalidade offshore, enquanto turbinas eólicas terrestres maiores foram instaladas na China depois que seu mercado eólico onshore entrou na era da paridade de rede a partir de 2021.

As turbinas eólicas de velocidade média continuam a ganhar popularidade, mostram os dados, com sua participação no mercado global aumentando para 9,7% em 2021, um aumento de 3,6% em relação a 2020. Neste nicho, a Mingyang e Vestas continuam sendo os principais fornecedores do trem de força de turbina. A Goldwind, fornecedora número um do mundo de turbinas eólicas de acionamento direto, e a Sewind, fornecedora líder de turbinas eólicas offshore da China, instalaram suas turbinas comerciais de velocidade média em 2021 pela primeira vez.

O número de fornecedores de turbinas caiu de 35 em 2020 para 30 em 2021, mostrando uma maior consolidação do mercado do lado da oferta, mas os seis principais OEMs de turbinas eólicas perderam 3% de participação de mercado em 2021, à medida que os OEMs de turbinas chinesas de nível 2 e 3 ganharam mais participação de mercado durante a corrida de instalação na China.

Mudanças climáticas
De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), o mundo precisa adicionar cerca de 390 GW de energia da geração eólica até 2030 para manter o mundo no caminho certo para limitar o aquecimento a 1,5°C. O Global Wind Report 2022 do GWEC apontou que as instalações precisam quadruplicar até 2030 para manter o mundo no caminho para atingir esse número. E que esses números só podem ser alcançados com o apoio de um mercado que forneça energia limpa, empregos e trabalhe em mercados financeiros livres de combustíveis fósseis.

Na avaliação de Ben Backwell, CEO do GWEC, o recorde em instalações é “um testemunho do papel fundamental que a energia eólica está desempenhando na transição energética e na proteção de pessoas e economias dos altos preços da energia causados ​​pela volatilidade dos combustíveis fósseis”. Contudo, alertou ao lembrar da declaração da ONU, de que os governos precisam tomar medidas urgentes para iniciar uma transição muito mais rápida para as energias renováveis ​​e remover as barreiras à implantação e ao investimento, incluindo a redução da burocracia e da burocracia, acelerando os investimentos na rede e garantindo que os mercados remunerar adequadamente a energia verde em vez de subsidiar os combustíveis fósseis.