Atraso em execução leva à multa de R$ 35,6 milhões para LTTE

LT que liga Rio a São Paulo deveria ter entrado em operação em 2014

A Agência Nacional de Energia Elétrica deliberou em reunião na última terça-feira 24 de maio, converter em multa o processo de execução direta da garantia de fiel cumprimento da Linhas de Taubaté Transmissora de Energia. A transmissora terá que pagar R$ 35.605.232,08 pelo descumprimento do prazo contratual para implantação de LT Taubaté – Nova Iguaçu e da SE Nova Iguaçu, além de três seccionamentos.

A LTTE pertencia a Isolux, mas após dificuldades financeiras que acabaram causando atraso na execução do projeto, passou para Gemini Energy. Em fevereiro desse ano, a Gemini foi comprada pela Energisa. As instalações de transmissão, que tiveram o contrato de concessão assinado em dezembro de 2011, deveriam entrar em operação comercial em de fevereiro de 2014. Porém isso ocorreu apenas de 2017 até 2021. Os R$ 35,6 milhões da multa equivalem a 5% do investimento no empreendimento.