BNEF: custos das renováveis registram aumento temporário

Eólicas, solares e armazenamento registraram aumentos nos custos de até 14%, impactados por problemas na cadeia de suprimentos

Análise da Bloomberg New Energy Finance mostra que o custo de novas eólicas onshore aumentou 7% ano a ano, e a energia solar saltou 14%. O custo nivelado de referência global da eletricidade, ou LCOE, recuou temporariamente para o patamar de 2019. Os aumentos estão ligados a aumentos no custo de materiais, frete, combustível e mão de obra. Segundo a BNEF, mesmo assim as energias renováveis continuam a ser a fonte mais barata de nova energia em larga escala em países que compreendem dois terços da população mundial e nove décimos da geração de eletricidade.

De acordo com a análise da BNEF, as estimativas para o LCOE global para energia solar fotovoltaica e eólica onshore aumentaram para US$ 45/ MWh e US$ 46/ MWh , respectivamente, no primeiro semestre de 2022. Apesar de perder algum terreno, ainda marca redução e 86% e 46% desde 2010. Os benchmarks globais ocultam uma série de estimativas em nível de país que variam de acordo com a maturidade do mercado, disponibilidade de recursos, características do projeto, condições locais de financiamento e custos trabalhistas. Os projetos de energia renovável mais baratos no primeiro semestre de 2022 conseguiram atingir um LCOE de US$ 19/MWh, como nos melhores parques eólicos terrestres do Brasil, e US$ 21/MWh para rastreamento de parques fotovoltaicos no Chile, e US$ 57/MWh para a energia eólica offshore na Dinamarca. Com a exclusão dos custos de transmissão offshore, a última estimativa cai para US$ 43/MWh.

Apesar dos aumentos temporários dos custos das energias renováveis, a lacuna para a geração de energia com combustível fóssil continua a aumentar devido ao aumento ainda mais rápido dos preços dos combustíveis e do carbono. Os novos projetos eólicos e solares onshore são agora cerca de 40% mais baixos do que as referências globais da BNEF para novas energias a carvão e a gás. O último custou US$ 74 e US$ 81 por MWh, respectivamente.

Embora a demanda por tecnologias de baixo carbono no setor de energia tenha se recuperado fortemente no segundo semestre de 2021, a oferta tem lutado para acompanhar. As cadeias de suprimentos globais foram enfraquecidas por adiamentos de investimentos, demissões de funcionários, aposentadoria antecipada de ativos e bloqueios. Os fluxos comerciais foram interrompidos por desafios em logística e transporte, barreiras comerciais e uma religação de relacionamentos após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O setor de armazenamento de baterias é sensível à volatilidade dos preços das commodities. O benchmark de bateria pela divisão dos custos totais está em US$ 153/MWh hoje, subindo 8,4% em comparação com o primeiro semestre de 2021. Os preços do carbonato de lítio, um dos principais insumos para as baterias de lítio-ferro-fosfato, aumentaram 379% no ano passado. A cobertura de materiais para projetos comissionados no primeiro semestre do ano está atrasando o impacto do aumento dos custos de materiais.

De acordo com Amar Vasdev, coautor do relatório da BNEF, os aumentos de custos marcam uma fase difícil para as energias renováveis, mas não um ponto de inflexão. Segundo ele, é visto um retorno às trajetórias de declínio de custos de tecnologia de longo prazo, à medida que a demanda continua forte, as pressões da cadeia de suprimentos diminuem e a capacidade de produção, principalmente na China, volta a funcionar.

Para David Hostert, chefe global de economia e modelagem da BNEF, as tecnologias de baixo carbono podem ser isoladas de uma desaceleração econômica, mas não estão isoladas. Ele conta que há também o risco de que as economias menos desenvolvidas sejam afetadas desproporcionalmente por aumentos de preços. Antes da COP 27 no Egito em novembro, deve ser dada uma atenção extra a esses mercados, já que será crucial garantir que eles não fiquem para trás e percam um tempo valioso na corrida para o net zero.