EDP fecha 2020 com lucro de R$ 1,5 bi

Resultado ebitda foi potencializado por R$ 745 milhões obtidos por ações de enfrentamento à pandemia de covid-19

A EDP Brasil registrou em 2020 lucro líquido de R$ 1,5 bilhão em 2020, um aumento de 12,7% em comparação com 2019. O resultado Ebitda (antes de taxas, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 3,4 bilhões, uma alta de 16% em relação ao exercício anterior. Considerando-se apenas o quarto trimestre, os ganhos somaram R$ 700 milhões, um crescimento de 40,2% em relação ao mesmo período de 2019. Nessa base o Ebitda chegou a R$ 1,4 bilhão, uma elevação de 60%.

Um dos destaques que a EDP apontou foi seu movimento para enfrentamento à pandemia de covid-19. Além de doações de 350 toneladas de alimentos e em dinheiro que somou cerca de R$ 10 milhões, segundo dados da companhia, houve ações para contingenciamento para proteção de colaboradores com medidas específicas para cada uma das áreas em que atua.

A EDP iniciou o Plano de Recuperação de Resultados, composto por 57 iniciativas destinadas à neutralização dos efeitos da crise do coronavírus em sua operação. Essas medidas permitiram recuperar um total de R$ 745 milhões. Segundo Setas, esse valor explica o Ebitda do ano para a empresa.

Considerando o balanço sem esses efeitos extraordinários, o Ebitda Ajustado no ano aumentou 12,2%, para R$ 2,5 bilhões enquanto no terceiro trimestre somou R$ 817,6 milhões, elevação de 35,8%.

A receita operacional líquida no ano somou R$ 4,3 bilhões no quarto trimestre 18,3% a mais do que no mesmo período de 2019. No ano houve aumento de 4,5% com R$ 13,2 bilhões.  Em distribuição houve aumento de 24,3% no trimestre, para R$ 2,4 bilhões. No ano foi de R$ 7,7 bilhões, aumento de 1,7%. Em geração houve queda de 35,1% no trimestre e de 26,2% no ano, passando a R$ 331,6 milhões e R$ 1,2 bilhão, respectivamente. Em transmissão, no trimestre a receita total ficou em R$ 461,5 milhões, redução de 53% quando comparado aos últimos três meses do ano passado e em R$ 1,4 bilhão no acumulado do ano. Em comercialização e serviços a variação foi negativa em 16,9% no trimestre, alcançando R$ 1,3 bilhão.

Cerca de um mês atrás a empresa revelou que o volume de energia distribuída aumentou 1,9% no último trimestre. Mas no ano esse índice ficou no campo negativo em 4,6%. A recuperação da economia frente aos demais trimestres do ano, resultado da retomada gradual do comércio e da indústria ao longo do terceiro trimestre. Apesar dessa recuperação, os números do ano mostram os efeitos da pandemia, que impactou na atividade comercial e industrial. Mais detalhes sobre o desempenho do mercado da empresa pode ser acessado aqui.

Em 2020, a companhia investiu R$ 1,9 bilhão no país, com destaque para o segmento de Distribuição, que recebeu R$ 752 milhões para melhorias e expansão da rede – um aumento de 16,2% frente a 2019. Foi o terceiro ano consecutivo em que o Capex da empresa no Brasil superou a marca de R$ 1 bilhão, ou cerca do dobro da média histórica da EDP em anos anteriores.

Apesar disso, o valor ainda é 32,8% menor do que o aplicado no ano passado quando ficou em R$ 2,8 bilhões. Segundo Setas, o ano de 2020 seria realmente de menores aportes ante o recorde de um ano antes, estimavam R$ 2,1 bilhões. Contudo, a pandemia atrasou obras de transmissão e reduziu mais que o projetado o volume de recursos aplicados no país.

Por fim, a EDP encerrou o ano com alavancagem consolidada, excluindo os efeitos não caixa, em 2,4 vezes Dívida Líquida/EBITDA, em linha com o ajuste de sua Política de Dividendos e Estrutura de Capital anunciado no último trimestre, que prevê pagamento mínimo de R$ 1,00 por ação e alavancagem entre 2,5 e 3 vezes, com um limite mínimo de 2 de vezes. Além disso, a Companhia propôs o pagamento de R$ 598,6 milhões em Dividendos e Juros sobre Capital Próprio.

(Nota da Redação: matéria alterada em 22 de fevereiro de 2021 às 8h30 minutos para complementação de informações.)